sábado, 9 de maio de 2009

About cheating

A propósito do livro que estou a ler, As Mulheres do Meu Pai de José Eduardo Agualusa, tenho de partilhar com vocês este pedaço da história! Está um espectáculo.
"Alguém veio - um decrépito Volkswagen com dois militares - enquanto Faustino Manso cantava Luanda ao Crepúsculo. O militar que ia ao volante era alto e desengonçado; o outro, baixo e roliço, com um farto bigode em forma de vassoura. Dom Quixote saiu do carro e espreguiçou-se. Sancho Pança saiu também preguiçosamente, fez menção de arrumar a enorme barriga dentro das calças, desistiu, aproximou-se do embondeiro e urinou com fragor. Dom Quixote admoestou-o:
- Capitão, olhe a menina!
Estendeu-me a mão:
- Acidente?
Expliquei-lhe o que tinha acontecido. Dom Quixote abanou a comprida cabeça descarnada, pesaroso.
- Não podem ficar aqui, assim em meio a tantíssima noite. Não sobretudo a menina, uma moça tão delicada. Estamos em território hostil. A guerra acabou, sim, mas há ainda por esses matos adentro uma meia dúzia de bandidos despardalados. Em noventa e nove, sabe?, eu quase morri aqui. Esse embondeiro foi que me salvou.
- Ia morrendo numa emboscada?
- Não senhora. Foi a minha esposa que quase me matou...
- A sua esposa?
- Afirmativo. Eu estava a namorar, no interior da viatura, com uma moça de Benguela chamada Mil Flores, uma mulata clara...assim como a menina... Estava eu já, como dizer?, totalmente operacional, quando a minha esposa apareceu. Quem nos denunciou foi, segundo apurei mais tarde, uma outra namorada minha, muito afligida de ciúmes, essa chamada Anunciação. Maria Rita, a minha esposa, apareceu armada com uma catana. Não a vi chegar. Só dei por ela no instante em que partiu o vidro do lado do condutor. Mil Flores abriu a porta do outro lado e fugiu a correr, em toda a sua nudez, que era linda de se ver, em direcção ao Lobito. Deus fez-me assim como vê, magro e ágil, tipo cabrito, mas estou velho, a minha mulher é muito mais jovem, tem mais fôlego, era uma questão de tempo até me apanhar. E se me apanhasse, zás!, lá ficava eu sem armamento, então subi no embondeiro.
- Não é possível! Como conseguiu?
- Como voam os gatos?
- Os gatos não voam!
- Não voam lá na Europa, menina! Aqui voam! Ponha um galgo atrás de um gato a ver se ele não voa. Um gato aperreado trepa em qualquer árvore, mesmo que seja eucalipto. Em dependendo do galgo, galga inclusive uma parede lisa. O certo é que voei, subi. Fiquei lá em cima, nu em pêlo, mais em pele do que em pêlo, aliás, que pêlos não tenho muitos, até que caiu a noite e Maria Rita se cansou e foi embora."
Conseguem imaginar uma coisa assim? =)
Estou a adorar ler e recomendo!

7 comentários:

Anónimo disse...

Coitados dos gatos voadores...
que são comparados a pessoas :s...lol

FIXED WING ;)

_Malinha viajante disse...

Que boa sugestão!! :)
Estou a acabar o "Homem duplicado" também feita a publicidade lá no estaminé e depois ainda não sei qual será o próximo!!;P
bjs

Pedro Teixeira disse...

Gostei da passagem!! Gatos que voam coincidem com o meu género de leitura!! Fantasiosa ou BD! =P

Dexter disse...

:)

Boa sugestão! A minha prima tem esse livro, vou ver se lhe cravo!

sakura disse...

Olá a todos! Ainda bem que gostaram deste pedacinho da história!
Dexter: isso é que é poupar! =) lol
Beijinhos para todos!

Cão disse...

Olá!
Obrigado pela visita.
Li "As mulheres do Meu Pai" talvez pelo Natal (é a época em que leio mais, porque recebo sempre livros de presente).
É fabulosa a saga de Laurentina, percorrendo meia África, na tentativa de reconstruir a vida do pai, Faustino Manso.
Com muita fantasia, muito cheiro a África, é um livro e um autor a ter em conta para as próximas prendas de Natal.
Deixem-se de meias e cuecas! Ofereçam livros que, ao contrário das cuecas, mesmo rotos e amarelecidos continuamos a usá-los.

Beijinhos

sakura disse...

Olá Cão!
Não precisas de estar a agradecer! Eu estou a gostar imenso do teu blog e já estás na minha lista Daily =)
Também adoro ler, é mesmo uma das minhas paixões e compro livros sempre que posso!
Beijinhos e aparece!